Home Crítica - Filme The Cloverfield Paradox | Crítica | Trilha Sonora | Teorias

The Cloverfield Paradox | Crítica | Trilha Sonora | Teorias

0

Eu sou muito fã de J. J. Abrams e da franquia Cloverfield. Vou tentar ser o mais imparcial possível e tentar também explicar tudo que aconteceu em The Cloverfield Paradox e relação dele com os outros dois filmes.

O filme se passa em um futuro não muito distante. Contando a história de um grupo de astronautas que estão no espaço, na orbita da Terra, para tentar solucionar de uma vez por todas os problemas energéticos em nossos planeta, já que as fontes de energia estão acabando e logo não será mais possível que todos vivam no planeta, pois em cinco anos não haverá mais nenhuma fonte. Todos a bordo da estação espacial Cloverfield são cientistas e cada um tem uma função especifica. Já que a nave é um acelerador de partículas. Então eles começam o teste na estação espacial, se eles forem bem sucedidos, criaram uma fonte de energia ilimitada para o planeta. Tudo isso patrocinado pela empresa Tagruato.

Para muitos que não são fãs desses filmes cheios de mistérios, o filme, a franquia pode ser um pouco chata e tudo mais. Pois todos sabemos que esses mistérios, lançamentos inesperados e toda essa relação sutil entre os filmes, não passam de jogadas de marketing para gerar mais lucros. Mas alguns, como eu podem achar isso interessante, algo que foge da mesmice.

The Cloverfield Paradox com certeza foi o melhor filme da franquia. Pois todo assunto abortado nele e os vários acontecimentos misteriosos combina com o ambiente do filme, que se passa no espaço. O primeiro filme, Cloverfield Monstro, também está disponivel na Netflix, mas ele não agradou muitas pessoas pelo fato de ser em primeira pessoa. Os próprios personagens estão filmando os acontecimentos. O segundo, Rua Cloverfield, 10, melhorou muito em comparação ao primeiro, mas o clima de mistério continuou, nele, a Terra foi invadida por algum tipo de vida inteligente.

O elenco do filme é formado por Daniel Brühl, Elizabeth Debicki, Aksel Hennie, Gugu Mbatha-Raw, Chris O’Dowd, John Ortiz, David Oyelowo e Zhang Ziyi. The Cloverfield Paradox foi dirigido por Julius Onah, produzido por J. J. Abrams e Lindsey Weber e escrito por Oren Uziel e Doug Jung.

Se você ainda não assistiu The Cloverfield Paradox, veja o trailer aqui.

Se não conhecia Cloverfield Monstro e Rua Cloverfield, 10, veja os trailers.

  • Explicação do Final e Teorias (Com Spoilers)

O filme acabou de uma maneira bem inesperada. Ava Hamilton (Gugu Mbatha-Raw) e Ernst Schmidt (Daniel Brühl) conseguiram sair do universo paralelo que estavam e voltaram para o universo deles. Rodaram com sucesso o acelerador de partículas e criaram a fonte de energia ilimitada que a Terra precisava. Quando decidiram voltar para a Terra não foram avisados do mostro que estava lá.

Agora vamos começar com as ligações, a mulher do telejornal que está fazendo a cobertura da teoria de um cientista que diz que Cloverfield, pode gerar um paradoxo fazendo os testes. Foi vista também em Rua Cloverfield, 10. Ambas foram interpretadas pela mesma atriz.

A repórter em The Cloverfield Paradox
Mulher pedindo ajuda em Rua Cloverfield, 10.

O cientista que conversa com a repórter em The Cloverfield Paradox é Mark Stambler, criador da teoria que dizia que o se algo desse errado, a Terra poderia receber monstros, demônios e bestas vindas do fundo de mar. Lembre-se que, Clovie, foi a besta que veio do fundo do mar em Cloverfield O Monstro. O sobrenome desse cientista é o mesmo que do personagem de John Goodman em Rua Cloverfield, 10. Chamado Howard Stambler, que abrigou todos no bunker. E além disso, Howard era obsessivo com invasões alienígenas e trabalhava aonde? Na Tagruato, mesma empresa responsável pelos acontecimentos no primeiro filme, segundo filme e terceiro filme.

Cientista Mark Stambler que criou a teoria The Cloverfield Paradox
Howard Stambler em Rua Cloverfield, 10

Agora vamos entender o que o acidente causou. Logo depois que o núcleo sobrecarregou, vimos um clarão na janela, uma momentânea perda de gravidade e quando olhamos para o espaço a Terra havia desaparecido. Mas ela não desapareceu, o que aconteceu foi que o clarão e a mudança de gravidade foram eles indo para outra dimensão, parecida com a deles. Quase tudo lá é igual, inclusive existia também um acelerador de partículas no espaço tentando gerar uma fonte de energia ilimitada. Porém ele caiu no mar e matou toda a tripulação. Mas ainda temos algumas diferenças.

Na outra dimensão, coisa estranhas começaram a acontecer, primeiro foi Jensen, a mulher presa na fuselagem da estação espacial. Jensen naquela dimensão é a engenheira responsável, e não Tam. Entretanto a tripulação é a mesma, com apenas uma diferença, Ava não foi para o espaço com eles, ela ficou na Terra ajudando eles remotamente. Então na mudança de dimensão, Jensen ficou no espaço, e não caiu com a tripulação dela. Por isso ela apareceu na estação espacial. Esses acontecimentos são chamados de abnormalidades, algo que não era para acontecer mas aconteceu. Ou seja a equipe foi para outra dimensão, onde não deveria estar, então o universo começou tentar consertar as abnormalidades.

A primeira ação foi outra estação cair e todos morrerem. Mas eles ainda estavam no universo errado, e isso é uma abnormalidade. Então o universo fará de tudo para mata-los enquanto estiverem lá. A segunda Volkov que estava com o corpo cheio de minhocas e com a bússola, que foram para lá na mudança de dimensão. Ai ele começa agir estranhamente, acusando Ernst Schmidt, o cientista da Alemanha de ter sabotado a missão para roubar informações. Então eles consultam o computador e veem que isso realmente é verdade. Mas quem fez isso na verdade foi o Schmidt da mesma dimensão da Jensen e não o da deles. Todas as outras mortes foram causadas pela dimensão tentando corrigir o erro, e a única maneira era matando todos eles.

Então podemos chegar a conclusão que os três filmes se passam em diferentes dimensões, já que nenhum momento é citado os eventos que aconteceram nos outros filmes. Existe teorias que vivemos em um multiverso, ou seja, múltiplos universos paralelos com pequenas diferenças entre eles. Então quando eles fizeram o teste com o acelerador de partículas em The Clovefield Paradox, eles não só afetaram a dimensão deles, mas sim a dimensão dos três filmes e em épocas diferentes. Causando tudo que aconteceu em Cloverfield Monstro em 2008, Rua Cloverfield, 10 em 2016 e The Cloverfield Paradox em 2028.

Ilustração do efeito causado em The Cloverfield Paradox

E você? O que achou do filme? Concorda com a teoria?


Trilha Sonora | The Cloverfield Paradox | Spotify



Trilha Sonora | The Cloverfield Paradox | Apple Music



Crítica

7.0

Muito Bom7.0
Nota dos Leitores: ( 0 voto ) 0


Veja também:
Jurassic World: Reino Ameaçado | Trailer Legendado | Super Bowl
Missão Impossível: Efeito Fallout | Trailer Legendado | Super Bowl | Trilha Sonora
Trailer de Arranha-Céu: Coragem Sem Limite | Legendado
Segundo Trailer de Um Lugar Silencioso | Aliens

Fonte: FoundFlix

Leonardo Rodrigues Muniz Um engenheiro fanático pelo mundo nerd, viciado em cinema e televisão.